Home Arte Pintura e escultura barroca no Brasil
Pintura e escultura barroca no Brasil

A pintura de temática religiosa é a principal característica da arte pictórica brasileira, durante sua fase barroca. Trata-se da pintura encarada, via de regra, como ornamento complementar ao conjunto arquitetônico, vista como obra monumental e decorativa, mais um acessório ao trabalho principal, que nesse caso, seria a própria igreja ou capela.
Minas Gerais teve um grande mestre da pintura religiosa monumental, durante o período barroco, Manuel da Costa Ataíde (1762-1830) cuja obra revela um excepcional domínio técnico da perspectiva, numa época em que os pintores não se consideravam e nem eram considerados como artistas livres, criadores plenamente conscientes de sua individualidade, pois pertenciam à classe humilde dos artífices. Seus trabalhos foram realizados principalmente em forros de igrejas, embora também possam ser encontrados alguns painéis em sacristias e paredes laterais de igrejas e ainda algumas poucas pinturas sobre tela. Seus trabalhos podem ser ainda hoje apreciados na igreja da Ordem Terceira de São Francisco, em Ouro Preto, na igreja de N. Srª. do Rosário, em Mariana e na igreja de Santo Antonio, em Santa Bárbara, mas, aquela que, sem dúvida, pode ser considerada como sendo sua obra-prima, é a N. Srª. da Porciúncula, no teto da nave da igreja de São Francisco de Assis, em Ouro Preto.

A arte escultórica do período barroco brasileiro centraliza-se na imaginária, isto é, na produção de imagens religiosas representando os santos da Igreja. A demanda de mercado para esse tipo de trabalho, ficava por conta também das irmandades religiosas, que adquiriam mediante encomendas, as imagens de grande e médio porte, para colocação nos altares de suas igrejas e capelas. Mas também os particulares constituíam uma parcela significativa de consumidores da Arte Sacra barroca, de menores proporções, para colocação nos nichos e oratórios domésticos. Indiscutivelmente, o maior expoente da escultura barroca mineira, foi Antonio Francisco Lisboa, o "Aleijadinho" (1738-1814) cuja obra pode ser avaliada, por exemplo, pelo conjunto dos Doze Profetas, no adro da igreja de Bom Jesus de Matozinhos, em Congonhas do Campo (Minas Gerais).